ALGÁS lança projeto “Arte no Prato 2023” e une gastronomia e arte em Alagoas

Por Jaqueline Silva,

Quinze restaurantes foram convidados a desenvolver receitas exclusivas tomando como inspiração os 30 anos da Algás; a partir disso, um time de oito artistas visuais teve como desafio criar duas ilustrações inspirados nas receitas.

Desfrutar do melhor da gastronomia alagoana, colecionar pratos ilustrados por alguns dos mais talentosos artistas da terra e ainda contribuir para uma causa social: a partir de sexta-feira (24), esta é a experiência que o público terá a oportunidade de conferir com o projeto Arte no Prato, desenvolvido pela Gás de Alagoas S.A – Algás, distribuidora alagoana de gás natural, em parceria com alguns dos principais restaurantes de Maceió, todos eles utilizadores de gás natural em suas cozinhas.

Para dar vida ao maior projeto artístico-gastronômico já desenvolvido no Estado, quinze restaurantes de diferentes especialidades foram convidados a desenvolver receitas exclusivas tomando como inspiração a celebração dos 30 anos da Algás. A partir dos nomes e ingredientes das receitas, um time de oito artistas visuais teve como desafio criar duas ilustrações, cujas imagens foram reproduzidas e impressas em uma coleção inédita e limitada de pratos de porcelana.

Assim surgiram delícias gastronômicas e visuais como o “Camarão na Rede”, criação do restaurante mineiro Divina Gula interpretado por Persivaldo Figueirôa; a “Lasanha ao molho digital”, no cardápio do Armazém Guimarães, ilustrado por Suell Damasceno; o “Manta da Algás”, no Caruaru, desenhado por Rosa Piatti, e o “Arroz de Polvo a Todo Gás”, do Mariah, assinado por Marta Emília, dentre obras que contam ainda com nomes de peso como Lula Nogueira, Myrna Maracajá, Weber Salles e Thales França.

Essa é a quarta edição do Projeto Arte no prato que tem como objetivo valorizar a cultura alagoana através da sua gastronomia. Os restaurantes participantes têm o compromisso de fazer uma distribuição de vinte cestas básicas para instituições sociais, com o intuito de ajudar instituições que atuam dentro do Estado.

Para José Ediberto de Omena, diretor-presidente da ALGÁS. “O projeto Arte no Prato é uma oportunidade que a Algás e todos aqueles que aderirem ao projeto através da compra dos pratos, juntos, participem da construção de uma sociedade que reconhece e valoriza a sua própria cultura, atua como cidadão responsável e passa adiante essa ideia”, afirma Ediberto.

O lançamento do projeto será dia 23 de novembro, às 19h30 no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso e contará com a presença de autoridades política e comercial do Estado. Para colecionar os pratos basta consumir a receita criada para o projeto nos restaurantes participantes a partir do dia 24 de novembro. (disponível até durarem os estoques).

Confira os restaurantes participantes, chefs e artistas do projeto Arte no Prato:

Akuaba – Moquequinha a moda Penedo-Arapiraca, pelo chef Jonatas Moreira e ilustrado por Weber Salles;

Armazém Guimarães – Lasanha ao Molho Digital, pelo chef Breno Gama e ilustrado por Suell Damasceno;

Bicho do Mar – Escabeche Mundaú-Manguaba, pelo chef Edimilsom Santos e ilustrado por Suell Damasceno;

Caruaru – Manta da Algás, pelo chef Caruaru e ilustrado por Rosa Piatti;

Divina Gula – Camarão na Rede, pelos chefs André e Vitor Generoso e ilustrado por Persivaldo Figueiroa;

Imperador dos Camarões – Camarão Crocante Alagoano, pelo chef Maikel Brumatti e ilustrado por Thales França;

Maria Antonieta – Ravioli à sombra e ao ar fresco, pelo chef Breno Gama e ilustrado por Marta Emília;

Mariah – Arroz de polvo a todo gás, pela chef Juliana Almeida e ilustrado por Marta Emília;

Massagueirinha – Camarão Social, pelo chef João Batista Moura e ilustrado por Myrna Maracajá;

Mestre Cuca – Raviolli do gás natural com camarão alagoano, pelo chef Thiago Falcão e ilustrado por Thales França;

Micale – Suflado com Todo Gás, pela chef Thais Luiza e ilustrado por Rosa Piatti;

Piccola Villa – Cordeiro das Alagoas, pelo chef Roberto Macias e ilustrado por Myrna Maracajá;

Picuí – Carne de sol 117, pelo chef Wanderson Medeiros e ilustrado por Weber Salles;

Rice’s Hot Dog – Cuscuz das lagoas com tilápia dourada, pelo chef Ricardo Arroz e ilustrado por Luiz Nogueira;

Rustik – Bem-nos-quer, pela equipe Rustik e ilustrado por Luiz Nogueira.

Sobre os artistas do Arte no Prato

Lula Nogueira

O artista visual Lula Nogueira nasceu em Maceió em 1960, e é considerado como o maior pintor do estilo arte naif em Alagoas. Foi aluno do também pintor Pierre Chalita (1930 – 2010). Apesar de ser formado em engenharia, Lula sempre trabalhou no meio artístico, tendo participado de diversas exposições em cidades do Nordeste e do Sudeste. Em suas obras, costuma retratar o cotidiano dos maceioenses e a relação deles com a cidade.

Marta Emília

Doutora em Literatura Brasileira. Nomeia seu trabalho como “pintura recortada”. O processo consiste em pintar papel com tinta acrílica, recortar com tesoura e estilete e colar sobre superfície rígida. Nos últimos vinte anos vem explorando as possibilidades da cor e dos diálogos entre os painéis, que são bidimensionais, e outros materiais que possam remeter ao imaginário da “pintura recortada”, levando para o plano tridimensional essas possibilidades, como o uso de plásticos e de acrílicos.

Myrna Maracajá

Apesar de ter nascido na região da zona da mata de Pernambuco, a artista visual Myrna Maracajá se fixou em Maceió – cidade que escolheu para abrir o próprio ateliê de artes, localizado no bairro do Poço. É ilustradora e já trabalhou para grandes editoras nacionais, como a Companhia das Letras e a Editora Brasil, e escreveu para o suplemento Folhinha, do jornal Folha de São Paulo. Seus principais trabalhos são voltados para o público infantil, tendo feito as ilustrações que compõem o livro “Minhas Férias” (1999), do escritor Marcelo Coelho. As obras da artista já foram expostas em algumas capitais brasileiras, como Recife e São Paulo.  

Persivaldo Figueiroa 

Residente em Maceió desde 1983, o Pernambucano escolheu a capital alagoana para desenvolver sua arte. Trabalha com pintura, escultura e os mais variados meios de utilizar e divulgar o seu trabalho: arte mural, cenários, oficinas.

Rosa Piatti

Arquiteta, designer de móveis e joias, artista visual e plástica. A alagoana Rosa Piatti é uma verdadeira polímata das artes. Seu hall de criações é extenso: luminárias, vestidos, móveis, painéis, porcelanas, esculturas, colares, pulseiras, dentre outros objetos cheios de cores, formas e vida. Filha de uma pernambucana, D. Zélia Maia Nobre, fundadora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Rosa tem uma carreira internacional consolidada. Muitos de seus trabalhos já foram expostos nos Estados Unidos, Canadá, Arábia Saudita e em diversos países da Europa, como França, Itália e Londres. Já vendeu peças para famosos, como o ator hollywoodiano Brad Pitt. É uma das proprietárias da loja de decoração “Viver de Arte”, que possui unidades em Maceió, Ribeirão Preto e Rio de Janeiro.

Suel Damasceno

Ainda criança, o artista visual Suel Damasceno já demonstrava ter uma forte ligação com a arte. Inspirado pelos desenhos das histórias em quadrinhos que lia, e na observação do mundo ao redor, o maceioense passou a criar suas próprias ilustrações. Com o tempo, deixou de lado os lápis de colorir e aprendeu a usar os pincéis – com eles, passou a pintar camisas, telas e fachadas. Suel pode ser considerado um street artist, pois algumas de suas obras estão espalhadas em diversas ruas de Maceió. Um bom exemplo é no muro do bairro do Jaraguá, onde decorou, junto com outros artistas locais, a extensa faixa de concreto que vai até o porto da cidade. Seus trabalhos não se restringem à rua. Em 2007 criou a exposição “Urbanessência”, que ficou em cartaz na Pinacoteca da Universidade Federal de Alagoas – de acordo com o artista, as obras exibidas retratam o caos urbano e o cotidiano das cidades grandes, sem perder a sensibilidade das pequenas coisas do dia-a-dia.

Thales França

O designer Thales França faz parte da nova geração de artistas visuais alagoanos. Maceioense, expôs suas obras pela primeira vez em 2014, no projeto “Teatro Deodoro é o Maior Barato”. Pôde explorar melhor seu lado artístico quando viajou para o Canadá, país que morou durante alguns meses e onde aprendeu diferentes técnicas como aquarelagem e pintura digital. Em 2014, passou a dedicar-se exclusivamente às telas, que fizeram grande sucesso nas redes sociais.

Weber Salles

Weber Salles é diretor de cinema e sócio proprietário do estúdio de produção audiovisual Núcleo Zero. Em 2014, recebeu o prêmio de melhor trilha sonora na V Mostra Sururu de Cinema Alagoano, pelo curta-metragem “Dialetos”. Sua formação artística vem das artes plásticas, onde já experimentou diversas formas e materiais aplicados a esculturas, instalações e desenhos – daí para a animação, sua nova paixão, foi um pulo.