Gás natural veicular se mantém como opção eficiente e segura

Por Isabela Souza,

Alagoas conta com 19 mil consumidores do combustível; instalação e manutenção de kits devem ser feitas em oficinas credenciadas pelo Inmetro

Que o gás natural veicular (GNV) é o combustível mais econômico disponível no mercado, todo mundo sabe. Nos postos de combustíveis em Maceió, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o produto apresenta economia de 50% na comparação com a gasolina e 53% quando comparado ao etanol. Para os mais de 19 mil consumidores do combustível em Alagoas, a sua vantagem também se encontra na segurança.

De acordo com Fabio Sousa, gerente comercial da distribuidora de gás natural de Alagoas, a Algás, um dos aspectos vantajosos do GNV é que, além da impossibilidade de ser adulterado, “o combustível não faz contato com o ar durante o abastecimento, o que diminui a possibilidade de combustão”.

Os cilindros produzidos para o armazenamento de GNV são certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e, ainda segundo Fabio, para que acidentes sejam evitados, a instalação e a manutenção do kit só devem ser feitas em oficinas registradas pelo órgão.

“A requalificação dos cilindros de alta pressão deve ser feita a cada cinco anos em uma oficina devidamente credenciada pelo Inmetro, e esse mesmo reteste também deve ser feito quando o cilindro for reinstalado em outro veículo”, explica.

O motorista Artur Lopes, que trabalha há oito anos com o carro movido a GNV na sua empresa de transportes, viu no combustível uma opção econômica, eficiente e mais segura em relação aos outros do mercado. “Chego a rodar cerca de 110 km por dia e a manutenção periódica mantém meu percurso seguro, junto com as regras de segurança durante o abastecimento”, declara.

A Algás fornece gás natural para 28 postos de combustíveis em Alagoas, sendo 21 operando na capital e 7 operando no interior (05 por meio de gasoduto – em Atalaia, Penedo, Pilar e Rio Largo – e 2 com gás natural comprimido – nas cidades de Arapiraca e Palmeira dos Índios).

 

Por Isabela Souza

Foto: Luiz Vaz