Bordado filé mantém sua tradição através de oficinas de repasse na região lagunar de Alagoas

Por Isabela Souza,

Projeto do Instituto do Bordado Filé, um dos contemplados pelo Edital Algás Social 2017-2018, difunde técnicas do tradicional artesanato e patrimônio cultural de Alagoas

Com o objetivo de dar continuidade à transmissão da tradição do bordado filé na região das lagoas, o projeto do Instituto do Bordado Filé da Região das Lagoas Mundaú Manguaba (Inbordal), “Salvaguarda do filé alagoano”, é um dos contemplados pelo Edital Algás Social 2017-2018 e busca manter o saber-fazer tradicional do ofício através de oficinas de repasse.

Na mão, fios sobre fios envolvem e requerem processos de execução – às vezes complexos – e bastante aperfeiçoamento. Considerado patrimônio cultural imaterial de Alagoas desde 2014, o filé alagoano é passado como herança entre gerações da maioria das residentes das regiões lacunares do estado.

Mas, para que essa tradição perdure, é preciso lutar por ideais. Na Colônia de Pescadores do Pontal da Barra, Petrúcia Lopes, presidente do Inbordal e uma das oficineiras do projeto “Salvaguarda do filé alagoano”, faz a sua parte e realiza o trabalho de repasse com artesãs, da adolescência até a terceira idade, de forma a reeducar a prática operacional do ofício.

Segundo Petrúcia, nas oficinas, que também são realizadas nos municípios de Santa Luzia do Norte e Marechal Deodoro através do projeto, as aulas são ministradas resgatando pontos esquecidos e melhorando a qualidade de acabamento bem como a confecção da malha pequena. “Com isso, podemos aumentar a percepção de mercado nas peças acabadas de forma diferenciada”, diz Petrúcia.

Para a Algás, a diversidade de expressões de cidadania, como no projeto “Salvaguarda do filé alagoano”, manifesta a responsabilidade social que sempre esteve presente nos planos da Companhia. “As iniciativas beneficiadas pelo Edital Algás Social são focadas no incremento dos indicadores sociais de Alagoas, na certeza de que o resultado alcance o desenvolvimento sustentável, que deve ser encarado de forma abrangente pelas práticas e políticas sociais”, declara o diretor presidente da Distribuidora, Arnóbio Cavalcanti.?

Por Isabela Souza